sexta-feira, 26 de maio de 2017

lista para o fim-de-semana ❥

«Não sei onde me nasce tanta vontade e tanta dedicação. Não sei de onde me nasce este pulso firme pelo que acredito. Não sei de onde me nasce este ímpeto de me dar ao mundo. (…)
Não é que ache a minha presença extraordinária. Mas se há coisa que precisamos de aprender é a olhar para o nosso brilho e reconhecer o caminho percorrido. Bater palmas à nossa coragem e seguir por aí de peito cheio. Não de arrogância. Mas de amor por quem somos. Por quem nos tornámos. Sabendo que podemos: ser quem queiramos.
Acredito nisto com tanta força, que não me queixo do que de mau vivo à minha volta. Dirijo toda a minha energia para investir no mundo em que quero viver. Até conseguir.» | bárbara leão

*

» créditos imagem | de alma e coração

desta semana*

do que ensinei
es·co·lha |ô| 
substantivo feminino
acto ou efeito de escolher |  opção | preferência | selecção
*
mais do que um direito, esta liberdade transformadora que a vida nos dá todos os dias: escolher.
escolher mudar, escolher ficar, escolher ir, escolher voltar. escolher  não remoer nos mesmos assuntos (e nas mesmas pessoas), escolher não alimentar loops de pensamentos negativos, escolher não ser o que nos acontece, escolher dizer sim ao que nos faz bem, escolher quem queremos ter ao lado para viver. escolher não ter medo de querer.

 
do que aprendi
a manter-me constante nesta urgência de levar serenidade, foco e fé a quem precisa. a manter-me focada no caminho que escolhi: fazer das palavras e dos abraços um ansiolítico que alivia algumas dores e preenche alguns vazios. a manter-me leve perante todos os desafios e obstáculos que a vida me vai trazendo e a não perder a capacidade de dar a volta por cima e reinventar-me. a prometer a mim mesma que por nada, por ninguém, perderei de vista o único euromilhões que me importa: estar em paz comigo mesma.

de tudo o que agradeci
regressei de londres de alma renovada. comecei esta semana a trabalhar com uma empresa de sonho e sinto-me completamente apaixonada pela energia da equipa. tenho pela frente um dos melhores desafios como Coach e este foi, sem dúvida, o segundo melhor ponto da minha semana. o primeiro chama-se o-incrível-Martim. e é muito por causa dele, e desta existência abençoada, que sou feliz [e profundamente agradecida] todos os dias.

» créditos imagem | pensão agrícola

espírito de sexta-feira*


quinta-feira, 25 de maio de 2017

para ti que estás a recomeçar*

quando aprendes a gostar mais de ti aprendes, também, a dizer não. quando aprendes a estar mais para ti e por ti, aprendes a largar em vez de agarrar. quando aprendes a não (te) adiar, aprendes a não agonizar com o que não pode (e não deve) voltar. quando aprendes a seguir o teu rumo (mesmo que não saibas se é o certo, mas sabes que te faz avançar), aprendes que podes abdicar de muita coisa, menos de ti, inteira. quando aprendes que o amor é querer o mesmo ao mesmo tempo e que ele só se conjuga no plural, aprendes que um dia vai chegar quem te saiba agarrar sem te sufocar, quem te saiba amar sem te querer mudar, quem te saiba cuidar e sossegar até que te esqueças dessa amarga dor que alguém te trouxe quando te fez duvidar. 

sobre amor-próprio*







quarta-feira, 24 de maio de 2017

tão, mas tão bom!

tão isto, que podia ser sobre mim*

Vantagens de se ter mais de 40 anos:
1. Deixas de dar passos maiores que as pernas, pois já conheces bem o tamanho das tuas pernas. 
2. Aprendes a dizer as coisas como és e não como achas que os outros gostariam de ouvir.
3. Percebes que tens de dormir, que aquela coisa das directas e da noite dentro é para quem tem vinte anos ou para quem tem quem lhe limpe a casa e ature os filhos. 
4. Aprendes a mandar à fava. E à merda. E é libertador.
5.  Mas também aprendes a dizer: fazes-me falta. O que é ainda mais libertador.

lema de vida*


terça-feira, 23 de maio de 2017

[quase tudo sobre] londres ❥









tinha tantas saudades. saudades enormes. saudades dos meus lugares preferidos, das pessoas, daquele british accent que amo, do céu, das cores, da agitação, da comida, do metro, dos espectáculos de rua, da música, dos musicais, do tempo em que Londres foi a minha casa.
tive ao meu lado a melhor companheira de viagem e quase 20 anos de cumplicidade. foi maravilhoso percorrer a cidade toda com ela. rir, cantar, dançar na rua, ir às nossas lojas favoritas, aos bairros de casas queridas, aos nossos pequenos-almoços de panquecas e ovos, aos meus mil e um cappuccinos favoritos. foi maravilhoso poder levar o meu livro ao grupo querido que me esperava, passar uma tarde espectacular (obrigada, miúdas queridas!), deixar já marcado o regresso em Outubro e foi maravilhoso poder agradecer à vida por tudo.

ah, essas pessoas-sol! ❥

as que nos põe para cima, as que são uma injecção de ânimo nos nossos dias, as que não desistem de acreditar no melhor de nós, as que nos fazem bem porque praticam o Bem, as que têm sempre a palavra certa no momento certo, as que enviam mensagens de força quando pressentem que tivemos um mau dia, as que sabem tudo sobre nós e permanecem ao nosso lado, as que nos ouvem com o coração, as que abraçam com a força e a leveza do verão, as que são farol e que, mesmo distantes, iluminam o nosso caminho, as que nos fazem acreditar na direcção que seguimos, as que nos ajudam a não nos sentirmos barcos perdidos e as que (se soubermos reconhecer o tesouro que são) agradecemos, todos os dias, por serem a melhor terapia da nossa vida.

amém*


segunda-feira, 22 de maio de 2017

resumir o melhor de Londres numa fotografia*

e dizer-te obrigada, mil vezes obrigada, por seres a melhor amiga do meu mundo- -

tenho um lado que acredita em finais felizes*

vou escrevendo a minha vida de coração aberto. vou anotando todos os sonhos e não fujo de nenhum. sei-me resiliente, paciente e corajosa. sei o que mereço receber e o que posso dar. todos os dias abro as portas do meu coração. ouço-o sempre. cuido bem dele e ponho-o à frente de tudo. não perco tempo com nada porque não tenho tempo a perder. não sei todas as respostas para todas as perguntas que tenho e  aprendi a viver muito bem com isso. não fujo de nenhum ponto final e aprendi que só assim a vida muda (e nos muda).
há dias em que o mundo (ainda) tenta fazer-me duvidar do que sou e do valor que tenho. só que hoje sei respirar fundo e repetir a mim mesma:
desistir de certas coisas e de certas pessoas não é para os fracos. é para os que têm a coragem de erguer a cabeça, a voz e o coração e voltar a acreditar que merecem melhor, muito melhor. sobre ter razão ou ter paz, escolho sempre o lado certo da vida.

______
* [e ele é muito grande!]


» créditos imagem | patrícia martins

fé. quando não sabes, mas acreditas*