quinta-feira, 17 de agosto de 2017

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

sobre um lugar chamado medo*

houve um tempo em que tinha mais medo do que fé. não um medo qualquer. mas um medo limitador que me ia impedindo de tentar, de errar, de tentar de novo, de errar de novo, de cair, de levantar e de [um dia] acertar. um medo profundo e enraizado de viver coisas maravilhosas, de sair do apego, de calar o ego, de deixar de levantar hipóteses de ‘’coisas’’ que talvez nunca fossem acontecer.
no dia em que direcionei a minha vida para o meu foco e investi toda a energia nos meus objectivos, tudo mudou. acrescentei os ingredientes certos [e as pessoas que vivem na mesma sintonia de luz] e percebi que é assim que a vida avança, que as portas se abrem, que os sonhos ganham forma.
o resto tinha mesmo que ficar para trás.
não dá para deixar que a poluição alheia se infiltre no coração. não dá para continuar a manter ao nosso lado pessoas vai-se-andando, pessoas que não conseguem ver nada de bom à sua volta, pessoas que numa conversa de dois minutos dizem mal de tudo e de todos.
deixo que a intuição funcione como um radar. deixo que seja ela a definir a distância de segurança. deixo que esse-medo-às-vezes-tão-grande [mas fraco] perca força ao lado dessa coragem-às-vezes-tão-pequena [mas forte] de querer | e lutar muito para | ser feliz todos os dias.

16 | mantra para a vida toda*


terça-feira, 15 de agosto de 2017

| sobre muito, muito talento | pequena maravilha*


tão isto, que podia ter sido escrito por mim*

«Persistir é um dom. Mas deixa eu aliviar uma angústia que o seu peito ainda nem sentiu. A gente, sabe-se lá a razão, recebe um aviso estridente quando se depara com alguém que irá nos acompanhar na jornada inteira. Pode ser uma reação química que nos acenda. Pode ser uma reação física que nos cole. Pode ser uma reação biológica que nos faça suar. Mas o aviso vem. Persistir com as pessoas certas, filho, é um dom. E desistir das pessoas erradas é uma arte.»  | pedrinho fonseca

agosto | 15 [às minhas pessoas-sol]




segunda-feira, 14 de agosto de 2017

resumir coisas muito boas numa fotografia*

e contar os dias que faltam para celebrar (os melhores) 7 verões. 

para ti, que vais recomeçar*

tudo na nossa vida está no lugar certo, na hora certa. tudo o que vem para a nossa vida faz parte do que precisamos de enfrentar e superar. aceitar é uma parte da força que ajuda a continuar a lutar. não comparar com a vida dos outros é outra parte da força: cada um tem o seu próprio tempo, as suas próprias batalhas, as suas dores, os seus dias de peito aberto.
muito mais do que olhar para o lado, tem fé em ti. acredita que és capaz de enfrentar qualquer coisa, de superar qualquer dor. confia na luz que há em ti, aquela que ninguém – nunca – poderá apagar.
recomeçar sempre foi e sempre será, o teu maior acto de coragem.

ᨑ workshops às 9 academia 

↠ a g o s t o


» workshop descomplica
19 porto – esgotado
20 aveiro
26 lisboa

↠ s e t e m b r o


» workshop recomeça
2 lisboa
3 porto

» workshop descomplica
14 lisboa | pós-laboral |
16 lisboa
17 porto
19 lisboa | pós-laboral |

informações e inscrições: asnoveacademia@gmail.com

ᨑ retiros  | recomeça 
douro | setembro 22, 23, 24 
alentejo | setembro / outubro 29, 30, 1 
informações e inscrições: asnoveacademia@gmail.com


ᨑ palestra - descomplica 

lisboa | 28 de outubro

ᨑ coaching individual 
lisboa | ou via skype

informações: sofiacastrof@gmail.com

agosto | 14 * lema de vida







domingo, 13 de agosto de 2017

o que de verdade importa*

acordei mais cedo do que devia. com o corpo a pedir ‘’fica’’ e a cabeça a pedir ‘’vai’’. com o coração cheio de palavras bonitas para o meu novo livro. com a alma alinhada com as letras que quis escrever: sobre a urgência da vida e o paradoxo de viver devagar; sobre isto do tempo passar e de, inevitavelmente, algumas coisas deixarem de ter importância e espaço na nossa vida; sobre a lista de coisas que me trazem a certeza de que o mundo não acaba por razões pequenas, por pessoas e situações que nunca foram parte de nós, e por tudo aquilo que não era para ser.
hoje quis escrever sobre aquilo que nos muda (e muda tudo à nossa volta): a forma de lidar com os nãos que a vida impõe. o aceitar o ritmo próprio da vida, que segue indiferente aos planos que fazemos, que tem um compasso alinhado com uma ordem (natural) que não se explica.
terminei mais um capítulo. agradecida por este despertar antes de tudo. aliviada por este limpar da cabeça, este respirar bem fundo, este mapa que sigo e que me aponta na direcção de relativizar ses, de olhar para cima, de dar um longo abraço a mim mesma, de só depois começar o dia, e de acreditar sempre. 

agosto | 13