quinta-feira, 28 de julho de 2016

podia vestir-me assim todos os dias*

Queremos que o verão seja easy living. Com roupas a condizer com o espírito: livre, leve, solto, sem pressas.
Ainda temos um bom par de semanas de trabalho pela frente, apesar de adorar trabalhar em Lisboa em Agosto. Tudo tranquilo, reuniões e coaching ao ar livre, pouco stress, tempo para alinhar os projectos de Setembro, fazer tudo e fazer devagar.
Assim que passarmos a curva de Agosto, as malas saltam para fora do armário e só levam dentro fatos de banho, vestidos, calções, muito branco, muitos linhos, túnicas e saídas de praia, paez e havaianas, cheirinho a côco e a nívea da lata azul. Só coisas boas que nos façam gritar de alegria pelo lugar que trazemos no coração.
os meus preferidos desta semana:

vestidos 1.  2.  3.  ↠  calções 1. 2. 3. ↠ túnicas 1. 2. 3↠ fatos de banho  1. 2. 3.

» créditos imagem | andy singer

começa bem o teu dia*

Vou aprendendo a não me lamentar. A confiar que o que se perde volta de outra forma. A deixar que o que tem de chegar ao fim, chegue. A dar espaço para o novo, para o muito-melhor. A fazer crescer a minha fé no que de especial a Vida me reserva. A viver inteira na prática do desapego e da aceitação - nada fácil, mas uma absoluta lufada de ar fresco que entra no peito e que compensa todos os dias confusos.
Fui aprendendo que a vida é muito curta para não fazermos o que temos vontade. É muito valiosa para não deixarmos entrar só o que nos faz bem. É muito apressada para não nos obrigarmos a parar para agradecer tudo o que de bom nos dá (e de menos bom, porque tantas vezes faz-nos grandes favores...). É demasiado promissora para termos medo de arriscar, para termos vergonha de assumir as nossas decisões mesmo quando estão erradas, para termos dúvidas em aprender com os nossos erros e para não puxarmos da coragem e seguir em frente, a acreditar que ser feliz não é ter uma vida perfeita, não é fazer tudo certo, não é ter sempre tudo o que queremos. A única forma de ser feliz é estar bem com a vida. E estar bem com a vida é estar bem comigo mesma. 


4 colheres de sopa de aveia + 4 colheres de sopa de leite de arroz + 1 mão cheia de sementes (mistura de chia, goji, linhaça, sésamo, girassol) + 4 morangos esmagados (em puré) + 1 colher de chá de canela em pó + 2 colheres de sopa de frutos vermelhos + 1 iogurte grego

Na véspera, deixar numa taça a aveia, o leite e as sementes mergulhados, bem fechados. No dia a seguir, juntar a esta espécie de creme de aveia, os morangos em puré (envolver bem), a canela em pó e os frutos vermelhos e o iogurte. Servir com um pouco de mel, amêndoas picadas, hortelã e mais canela em pó.

» créditos imagem | my new roots

meu amor querido ❥

É difícil acreditar que podemos ser mais felizes quando somos tão felizes.
[o b r i g a d a ]

quarta-feira, 27 de julho de 2016

saudades de ser feliz aqui*




Num dos espaços mais bonitos do meu sul, num lugar inscrito na bússola do nosso coração como um norte: Tavira.

» imagens maravilhosas da talentosa | xiomara marques

receita para dias bons*

As escolhas mais importantes da vida não são feitas de certezas inequívocas. Acontecem num momento em que somos chamados a escolher, a decidir, a fazer. A segurar com as nossas mãos as rédeas da nossa vida.
Aprendi a abrir, de forma generosa, as portas da minha vida. Deixo-as abertas e prontas para receber o sol, os bons ares, os bons sons, e as boas pessoas que o dia me quiser dar. Todos os dias repito esta espécie de rotina que só me faz bem. Junto as mãos em forma de agradecimento por tanto que de bom recebo. E permito-me apenas pedir que em tudo o que vier se repitam abraços.  
Ser feliz tem muito de confiar. De crer e de querer. De não viver (apenas) à superfície da vida. De deixar as portas abertas e pensar só nas coisas boas. 


#1 [uma dose generosa de antioxidantes e energia]
1 abacate + 1 fatia de pão escuro + canela, açafrão e sumo de lima
Descascar o abacate e partir em gomos finos. Temperar com o sumo de lima, a canela e o açafrão. Dispôr no pão (ligeiramente torrado) e acompanhar com um chá frio de menta e hortelã.

#2 [num único copo, uma dose fortíssima de vitaminas e minerais]
2 pêssegos grandes + 1 c. de sopa de sementes de cânhamo + 1 c. de sopa de bagas goji + 1 c. de sopa de canela em pó + 1 mão cheia de menta + 1 mão cheia de agrião + 1 copo grande de água de côco

Misturar todos os ingredientes no liquidificador - excepto as sementes de cânhamo. Servir e beber de imediato (com as sementes de cânhamo por cima e mais uma pitada de canela em pó).

» créditos imagem | adventures in cooking

isto. muito, muito, isto*





terça-feira, 26 de julho de 2016

no dia dos avós, aquilo que mais importa ❥



Antigamente, esperavamos pelas férias que passavamos na aldeia como quem espera a vida toda pelo verão. Contavamos os dias que faltavam até chegar o dia em que a única roupa que queriamos vestir tinha nome de liberdade. Os dias eram cheios do melhor que a vida tem: a alegria dos avós, os olhos que brilhavam e se emocionavam por nos terem ali, perto, dentro. Os abraços que nos davam sempre acompanhados de um ‘’estás uma mulher!’’ apesar dos nossos ainda pequenos 9, 10 anos. E eramos felizes. Eramos mesmo felizes. Numa aldeia pequenina no meio do campo, rodeados de muitas árvores de fruto e uma horta cuidada com amor, os animais para cuidar, um campo a perder de vista que corriamos com os primos, os amigos, os vizinhos e os cães, sem nunca nos cansarmos. Era tudo simples e há saudades que pedem ao tempo que volte para trás. 
Naquela casa muito simples mas cheias de histórias para contar, sabíamos que o essencial é igual em todo o lado, mas na terra dos meus avós eramos ainda mais felizes. Porque a vida corria mais devagar, porque o ar era muito mais puro, porque as pessoas eram menos apressadas, davam valor ao que realmente importa, queriam saber de nós genuinamente, e abraçavam-nos com força. Porque o céu tinha mais estrelas, porque o silêncio era mágico e porque o regresso a casa se fazia com o peito cheio de saudades e a contar os dias até ao próximo verão na terra dos meus queridos avós.

escrever para não esquecer*

aos meus queridos avós,
por me terem ensinado o verdadeiro sentido do amor incondicional
por me terem ensinado que família é muito mais do que laços de sangue
por me terem ensinado a ver e a ouvir os outros com o coração
por me terem ajudado a enfrentar o mundo com coragem e esperança no melhor
por me terem provado, com todo a doçura do mundo, que as dores da vida curam-se com abraços
por me terem dado o melhor exemplo de vida: se o mundo me obrigar a ir, nunca esquecer o lugar de onde venho e o orgulho que tenho nas minhas raízes.
por terem feito de mim uma pessoa crente, optimista, solar, que vê sempre o lado bom de tudo
por me terem provado que para amar não precisamos estar perto, precisamos estar dentro
por nunca me deixarem sozinha, mesmo quando já não os posso abraçar, ser pegada ao colo, adormecer nos seus braços, ouvir vezes sem fim que sou a neta mais querida do mundo... mesmo quando já não posso ouvi-los dizer o meu nome na casa da infância mais feliz do mundo: a minha. 
obrigada. - -

s e m p r e ❥