sexta-feira, 2 de abril de 2021

terça-feira, 2 de março de 2021

março *


que no fim saibas (sempre) sorrir e agradecer: por tudo o que veio e ficou. mas também por tudo o que foi e não voltou. e que pelo caminho não percas essa força (de dentro) que te ensina a acreditar (sempre) em ti, na vida e no que de bom está por vir.


2 de Março | o dia *

 


quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

agradecer, sempre. *

 


Parar, por um dia, para, junto dos que mais gostamos, agradecer é, simultaneamente, belo e brilhante. Podemos viver a gratidão dentro de cada de nós na sua forma mais plena: dar graças por aquilo que temos (e dizê-lo) e, inspirados pelas bênçãos de uma qualquer espiritualidade, devolve-lo ao mundo, em gestos de bondade com quem cruzar o nosso caminho.

Um minuto a mais para o colega que tem vontade de contar a vida inteira. Um sorriso ao carro impaciente ao nosso lado no semáforo. Um café que oferecemos à senhora atrás de nós na fila para o almoço. A porta que seguramos à espera que o vizinho tire o filho do carro. O elogio verdadeiro que tendemos a calar.

Está nas nossas mãos celebrar a vida e o bom (que permanece) do mundo em que vivemos. Está nas nossas mãos agradecer, dando.

todos os dias*

 



sábado, 9 de janeiro de 2021

parar e respirar. *

 


rever os meus queridos arquivos *

há caminhos da vida que são muito mais longos. como algumas das escolhas que fazemos e como algumas das pessoas-luz que acolhemos. precisar de cada vez menos é a forma de estar na vida que nos assenta cada vez melhor. e é assim, e é aí, que nos sabemos felizes. 

enchemos os dias de amor e é com Ele que afastamos nuvens cinzentas que (ainda) pairam por aqui. o destino é para a frente e, apesar de tudo, Fé é o que temos sempre a nosso favor.

das poucas (raras) certezas absolutas que guardamos no peito e nos nossos dias, há duas que são como um mapa para tudo o que ainda queremos ser e fazer:

ter coragem não é igual a não ter medo. e ser feliz não é igual a não ter dias maus.

*

| depois de toda e qualquer tempestade, a vida devolve (nos), sempre, dias de sol |


sempre *


 

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

meu Pedro, minha casa *

nas variáveis infinitas da minha vida, tu és o meu recomeço maior. és a volta de 180º. és a seta do caminho, o sentido para o que (me) faltava. és a certeza de que, para ser feliz, nem tudo tem que bater certo. e que, ainda assim, tudo está certo. porque (como diz uma muito querida amiga) todo o amor está certo. e o amor  transforma todos os errados em certos. mesmo que, tantas vezes, tenhamos que passar pelo pior para chegar ao melhor.

de todos os lugares do mundo, soubeste como encontrar-me. e de tudo o que és (e tu és tanto) deste-me o melhor de ti. sempre. 

gosto da vida ao teu lado. gosto mesmo muito da vida ao teu lado. gosto da sorte que temos. gosto das rotinas que temos. gosto das coisas boas que nos cercam. e gosto muito desta vontade-bonita que fazemos nascer todos os dias, de nos queremos cuidar, abraçar e proteger, um ao outro.


para tudo na vida *


 

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

às coisas pequenas da vida *

 


para começar ( bem ) este ano *

 

#1. Por mais difícil que esteja a vida, haverá sempre no nosso caminho quem nos queira ajudar, quem queira cuidar, quem chegue para plantar o bem, quem não (nos) largue a mão por nada. E um só pode ser (e valer por) muitos.

#2. As poucas certezas absolutas que temos devem incluir sempre uma das mais simples: 

- ninguém sai ileso da turbulência da vida, dos dias mesmo maus, das subidas muito íngremes que nos tiram o ar, das tempestades devastadoras que nos tiram o chão, da falibilidade dos planos que não batem sempre certo. Mas é neste seguir em frente e arriscar-cair-outra-vez que se tatuam as marcas e as assimetrias que trazemos na «pele», aquelas que nos lembram da coragem que tivemos:

- de ir, de voltar ao zero uma e outra vez, recomeçar sem o peso (imperdoável) dos ses que nos travam o voo e nos roubam a paz.

#3. Há uma frase que me acompanha sempre nos dias em que me preparo para voar de novo: 

«as coincidências são pequenos milagres em que Deus prefere ficar incógnito». 

Confio.

 

Coisas bonitas que tornaram a minha semana mais luminosa:

 

1. este livro | 2. esta música | 3. esta pessoa (todos os dias) | 4. esta página | 5. este lugar

este texto {que podia, tão bem, ser sobre mim}

 


2021: vamos com esperança!

 


quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

num mundo ( muito ) particular*

#1. somos capazes de fazer muitas coisas, mas não somos capazes de fazer todas as coisas. carregar o mundo às costas e querer agradar a todos é como rezar sem fé: não vale o esforço. | levantar a cabeça, endireitar as costas, respirar fundo, alinhar sonhos, focar O ponto, e não desistir por nada, por ninguém. | ter sempre muito presente, bem à nossa frente, que nós não somos só as nossas fraquezas e as coisas que julgamos serem defeitos. somos as coisas boas do nosso coração e merecemos muito ser a prioridade da nossa vida.

ouvir esta música |

 

#2. todos os pontos se ligam. não há nada que nos aconteça por acaso. não há nada que – mais cedo ou mais tarde – não se explique. neste dar e tirar da vida, é preciso estar atento ao que pensamos, ao que damos e ao que perdoamos. nenhuma acção ou escolha passa despercebida. e se é amor, luz e paz que queremos receber, é do lado de cá que essa boa energia tem de partir. | há momentos nas nossas vidasem que podemos esperar, guardar para depois. há outros em que agora tem mais força do que nunca.  

ler este livro |

 

#3. dezembro traz com ele o espírito que queremos fazer perdurar o ano inteiro. da generosidade, da bondade, da presença maior, da luz, da união, da dádiva, da comunhão com o que cada um acredita, com a importância do essencial, com a magia do que é invisível e, ainda assim, tão palpável, tão nosso, tão acolhedor. | que fique por dentro aquela sensação de renovação, de limpeza, de tudo o que fica para trás e de tudo o que levamos em frente. | enquanto cá estamos temos sempre mais uma hipótese. sempre.  

ver este filme |

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

parar. e respirar. *

 


meu Pedro, meu lado certo *

 

nas variáveis infinitas da minha vida, tu és o meu recomeço maior. és a volta de 180º. és a seta do caminho, o sentido para o que (me) faltava. és a certeza de que, para ser feliz, nem tudo tem que bater certo. e que, ainda assim, tudo está certo. porque (como diz uma muito querida amiga) todo o amor está certo. e o amor  transforma todos os errados em certos. mesmo que, tantas vezes, tenhamos que passar pelo pior para chegar ao melhor.

de todos os lugares do mundo, soubeste como encontrar-me. e de tudo o que és (e tu és tanto) deste-me o melhor de ti. sempre. 

gosto da vida ao teu lado. gosto mesmo muito da vida ao teu lado. gosto da sorte que temos. gosto das rotinas que temos. gosto das coisas boas que nos cercam. e gosto muito desta vontade-bonita que fazemos nascer todos os dias, de nos queremos cuidar, abraçar e proteger, um ao outro.

 


nunca *