quinta-feira, 20 de julho de 2017

uma espécie de ponto final, parágrafo*

estavamos em 2005. um dos anos de maior mudança na minha vida. vivia no Brasil e agradecia todos os dias a sorte grande de estar a viver o meu sonho, de morar num país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza.
durante um ano conheci pessoas que foram fundamentais no meu caminho de auto-conhecimento. com elas aprendi uma das maiores ferramentas para ser feliz: ressignificar.
hoje sei com o que me devo importar. sei o que devo guardar no coração e o que nunca devo deixar entrar. sei não esconder a verdade e sei que não posso guardar o passado sem o resolver primeiro.
aprendi a ver a vida da forma que eu quero ver e não da forma que o mundo quer que eu veja. aprendi a aprender com tudo o que me acontece, não me lamentando pelo que corre mal, mas antes tirando uma lição de cada não, de cada travão, de cada beliscão, uma lição de crescimento-interior para o caminho que quero seguir e para a melhor versão da pessoa que quero ser.
estávamos em 2005.  ressignificar mudou [para sempre] a minha vida.

plano para ser feliz*


quarta-feira, 19 de julho de 2017

sobre muito [muito] talento, pequena maravilha ❥

lema de vida*

o que de verdade importa não é o que te acontece. o que de verdade importa é o que tu fazes com o que te acontece. 
a escolha é mais ou menos como optar por ser um de dois tipos de pessoas: as que avançam depois de cometer um erro (está feito, feito está) ou as que ficam dias, semanas, meses, anos a questionar o que correu mal. 
há coisas que nunca vais perceber, respostas que nunca vais entender, pessoas que nunca vais querer ser.
quando o mundo te fizer duvidar lembra-te sempre da metáfora da lâmpada:
não há nada mais irritante do que uma lâmpada intermitente. aquela que nunca sabes se vai ficar boa ou apagar-se de vez.
ser ou não ser, ir ou ficar, ganhar ou perder. no meio há nada.

» créditos imagem | unsplash

respira fundo e pensa assim*


*depois, segue a tua resposta.

terça-feira, 18 de julho de 2017

quando a hora chega*

durante muito tempo hesitei (demasiadas vezes) entre um ponto final e uma vírgula, entre escrever fim ou cenas do próximo capítulo, em escolher-me a mim mesma, em ser eu – primeiro que tudo - o amor da minha vida. durante esse tempo, achava que o vazio que existia dentro do meu coração só podia ser preenchido por alguém que não eu. esperava que fossem os outros a dizer o quê, como, quando, onde e quando. morei em corações com prazo de validade, afundei-me no mar dos meus olhos, vestia-me de dúvidas, medos e todas as palavras amargas que dizia a mim mesma. 
até que um dia escolhi parar. parar e conversar com o meu coração. abrir as janelas todas e deixar a luz entrar. fui aprendendo a oferecer-me flores, e músicas, e livros, e muitos cadernos onde escrevi (escrevo) tudo o que vai cá dentro. ouvi-me, compreendi-me, questionei-me, chorei alto, ri alto, abracei-me forte, tive medo, trabalhei a coragem, fui buscar reforços de força onde não imaginava existirem, prometi-me conjugar sempre e para sempre o meu verbo-colo: aceitar(me). 
hoje sou para mim a pessoa mais bonita do mundo. sou mesmo. nas forças e nas fragilidades, no que tenho de bom e de vulnerável, no que choro e no que rio, no amor-para-sempre que encontrei dentro de mim e onde decidi morar para o resto da vida.
hoje sou eu que escolho. sou eu que decido. sou eu que sei o que é melhor para mim. sou eu que faço o meu mundo girar. e sou eu que digo a mim mesma: está tudo certo, vai correr tudo bem. 
nas minhas escolhas, na minha sorte, nos meus acertos com a vida, no saber aquietar o meu coração e no nunca largar a Mão da minha fé, nada mais importa do que saber-me em paz do lado de dentro. 

» créditos imagem | hello emilie

respira fundo e pensa assim*





segunda-feira, 17 de julho de 2017

resumir coisas muito boas numa fotografia*

tempo, paz e serenidade. estar mais perto da Natureza e aprender com ela. olhar à volta e ficar feliz. escolher viver devagar. saber-me afortunada. e [sempre] tão agradecida por tudo o que a vida me traz.

para ti que estás a recomeçar*

seguir o instinto, o sexto sentido, a sabedoria interior que todos temos e que nos diz – sempre – o que está certo e o que fazer. não ignorar aquela vozinha interior que fala connosco, que nos aponta caminhos, que nos faz sentir bem ou mal com esta ou com aquela pessoa, nesta ou naquela situação. não tirar o som ao que [cá dentro] funciona como o nosso sistema de navegação interno e que nunca se deve ignorar, mandar calar, racionalizar, arranjar desculpas para o afastar.
todos os dias há mil novas oportunidades para sermos felizes. todos os dias é-nos dado tempo para recuperar, tempo para parar, tempo para respirar e [quando nos sentirmos mais fortes] tempo para recomeçar.
há uma lição importante que a vida acaba sempre por trazer: por muita dor que nos possa doer, todos nos voltamos a erguer.

↠ w o r k s h o p s ↞
às 9 @ academia
j u l h o

᠉ workshop descomplica
lisboa - 25 de julho - em horário pós-laboral

᠉ retiro sul ‘’mindfulness & love yourself’’
sul | 28, 29, 30, 31

informações e inscrições: asnoveacademia@gmail.com

a g o s t o

᠉ workshop descomplica
lisboa - 5 de agosto
lisboa – 12 de agosto
porto – 19 de agosto
aveiro – 20 de agosto
faro - 28 de agosto

informações e inscrições: asnoveacademia@gmail.com

de segunda a sexta-feira
consultas de coaching | em lisboa ou via skype
asnoveacademia@gmail.com


17.7.2017 ❥


domingo, 16 de julho de 2017

sobre o dia de hoje, um dos melhores de sempre*

serendipidade | s. f.
se.ren.di.pi.da.de
(inglês serendipity)
sub. feminino
1. aptidão de atrair a si coisas boas sem planear. dom de fazer boas descobertas.
2. acaso feliz.

serendipidade é uma palavra que namora feliz com os meus workshops. e poderia ser uma contradição se olhar para toda a preparação que faço, a metologia que suporta e agrega toda a formação, o rigor e o fio condutor comum a todos (ancorado na psicologia positiva, nos princípios do coaching, pnl e mindfulness), e que deixa de o ser quando concluo que existe sempre este quê de serendipidade que faz com que em todos os grupos que conheço existam inúmeras possibilidades de acasos felizes.
voltei a Aveiro, conheci as pessoas bonitas que conheci, abracei e foi abraçada por cada uma delas de uma forma que nunca irei esquecer, senti o meu coração bater feliz, seguro e confiante. repeti: tudo está no lugar certo.
acredito que apesar de não sabermos as voltas que o mundo dá e de nem sempre compreendermos o seu sentido, o que de mais importante a vida nos pede é que possamos ser inteiros em tudo o que somos, em tudo o que damos, no ser e no estar presentes na vida das pessoas que estão cá dentro, de tão perto que vivem em nós.
agradeço, com o coração tão feliz, este dia maravilhoso. agradeço à Liliana e ao Espaço Biscoito por me ter recebido com tanto amor e entusiasmo. senti-me, verdadeiramente, em casa.
agradeço, profundamente, à Vida por ser tão boa para mim. no tempo certo, no momento certo, com as pessoas certas. acredito que mereço, e agradeço por acreditar todos os dias. 

inspiração*