terça-feira, 22 de maio de 2018

às minhas pessoas-sol*


aos que nos ajudam a acreditar mesmo nos piores dias. aos que não nos deixam fugir da verdade mesmo que ela doa. aos que entendem o nosso silêncio e ficam ao nosso lado, sem perguntas. aos que repetem sempre um estou-aqui-para-ti e estão mesmo. 
aos que nos puxam para cima, aos que nos seguram nos tropeços, aos que são balão de oxigénio quando não conseguimos respirar, aos que nos levantam do chão, aos que nos ensinam a voar, aos que são a corda que não parte, aos que são o ombro que não quebra, aos que são o colo onde descansamos, aos que são a força, a fé e a coragem que às vezes nos falta, nunca serão precisos dias especiais para lhes dizer:
obrigada por tudo.


repetir todos os dias*




segunda-feira, 21 de maio de 2018

resumir para-a-vida-toda numa fotografia*



o que de verdade importa*


por muito que o mundo (te) tente convencer do contrário, ganhar não é conjugar o verbo ter. ganhar é persistir no que te faz feliz. ganhar é levantar por maior que tenha sido a queda. ganhar é acreditar sempre mais um dia. ganhar é agradecer quem ficou. ganhar é, apesar da desilusão e da dor, continuar a ter como religião o amor. ganhar é escolher ter paz a ter razão. ganhar é ignorar as coisas pequeninas que afastam as pessoas. ganhar é abraçar mais, é confiar mais, sem vergonha de ter um coração feito de açúcar e de fé. ganhar é agradecer profundamente as vezes que as tuas pessoas seguraram na tua mão e te ajudaram a seguir o teu coração. ganhar é perceber que todas as palavras são urgentes na hora de dizer a essas pessoas-de-bom-coração: «gosto muito de ti».

regrinha básica para ser (mesmo) feliz*





sexta-feira, 18 de maio de 2018

hoje, às 20:30*


desta semana*


Esta semana resume-se em três lições essenciais nesta vida:

#1. Vamos sempre a tempo de recomeçar, de pôr um ponto final onde já não cabe uma vírgula, de não desistir de nada, nem de ninguém, só porque sim, mas também de saber a hora certa de parar de insistir.
Quando precisamos de arrumar a vida, devemos começar sempre pelas gavetas de dentro.

#2. Elogiar os outros, dizer-lhes obrigada, estar lá para quem está sempre lá para nós, abraçar com força, gostar com força, querer com força, viver com força. Não há nada de mais bonito nesta vida do que viver com a dose certa de paixão. Por nós, pelas nossas pessoas-sol, pelos dias bonitos e cheios de luz que fazemos acontecer.
O primeiro jantar de inspiração na Academia – organizado pela minha muito querida amiga Carla Costa – foi só mais um sinal desta certeza que guardo em mim há anos: as pessoas de bom coração acabam sempre por se reencontrar (amén).

#3. Há um convite/desafio (a acontecer hoje mesmo) que enche o meu peito de alegria. Não só pelo desafio em si mesmo, mas pela forma como ele chegou até mim. Pelo fio invisível que me mantém ligada às pessoas que são de ficar. Por saber que foi assim porque persisto em caminhar sempre de frente para a luz. E porque, nos meus exercícios de gratidão, nunca falta o agradecimento a esta pele que há em mim  que aprendeu (e continua a aprender) a escolher muito bem as batalhas que vale a pena lutar.

Foi uma grande, grande semana.

a melhor lição desta semana*





quinta-feira, 17 de maio de 2018

amanhã*

(re)ler para nunca esquecer*


recomeçar é sobre fé. é sobre uma - necessária - intervenção interior. é sobre o lugar que amplia o coração e que nos faz acreditar que nele cabe(m) mais. é sobre o silêncio onde se encontram todas as respostas que precisamos - sejam ou não as que queremos ouvir. é sobre a busca da paz como norte. é sobre o aproximar da Luz de verdade, a possibilidade que nos faz acreditar que o mundo poder ser um bocadinho mais bonito. é sobre confiar na ordem natural de tudo: antes de qualquer arco-íris, chuva. é sobre saber ser luz. é sobre deixar coisas bonitas por onde passamos. é sobre ser sol na vida de alguém. é dar. é abraçar. é gostar de quem somos, como somos. é [também] soltar. é aprender a deixar ir. é fazer as pazes com certas ausências e é aceitar que nem todos os que amamos ficarão. é - muito - quando a vida dá voltas e nos reconciliamos com o melhor que trazemos dentro.   -


a única pressa que tenho na vida*




quarta-feira, 16 de maio de 2018

o que se ouve, o que se lê & o que se vê por aqui*


‘’(…) No que me é dado a escolher, só recuso viver aquilo que sei que vai magoar-me na certa. Dantes, não me importava muito. Agora sim. O tempo e a vida vão-nos ensinando umas quantas coisas e fazem com que percebamos que não vale tudo e que o coração é um órgão muito importante, que não é só veias e artérias e cenas. O medo, a perda de ingenuidade, a recusa, nem sempre têm um efeito paralisante. Podem ser sinal de preservação, podem ser uma afirmação de que, lá está: não vale tudo.’’ | mar queirós de araújo |

Música

Livros

Filmes / Podcasts

nos lugares, nas pessoas e nas voltas que o mundo dá*





terça-feira, 15 de maio de 2018

em contagem decrescente*



a fila anda*


o ponto de partida: alguma coisa tem que mudar. a vida, nós próprios, a forma como nos vemos, como vemos os outros. o ponto de chegada: queremos ser felizes. queremos encontrar o botão do stop do bota-abaixo que vive dentro de nós. queremos romper com o ciclo de piloto automático em que vivemos. queremos – muito – acreditar que há sempre o Sol por trás das nuvens. (e há. sempre. sempre. sempre.)
é neste ponto que começa a escalada da montanha que todos precisamos de subir, a dissipação das nuvens (que são os nossos problemas), a tomada de consciência da (verdadeira) pessoa que somos, a descoberta  das forças que nos movem, a revelação de tudo o que (só) nos atrasa, o chegar ao lugar onde somos sempre esperados, o abraço da paz interior que todos merecemos sentir, a fila a andar.
o que importa é começar. ouvir (e seguir) o que nos diz o coração. acreditar que merecemos coisas boas. não desistir da vontade maior: ser feliz. o ritmo desta subida é o que cada um definir. o Sol – nos abraços, na motivação, na força, no foco e na fé - é o das nossas pessoas-luz, as que se doam com todo o amor. 
para quem quer (re)começar e fazer a fila andar, as portas, os braços e o coração da vida estarão sempre, sempre abertos.

regrinha básica (para ser mesmo feliz)*






segunda-feira, 14 de maio de 2018

sobre muito talento, pequena maravilha*


de tudo o que agradeço à vida*


manter por perto as poucas certezas que me bastam. compreender as perguntas para as quais (ainda) não tenho respostas. confiar [bastante] no tempo certo de tudo e na verdade de todas as coisas. guardar [bem] aqui dentro aqueles que escolhi e que me escolheram. dar a mão [só] às coisas boas que fazem bem ao meu coração e à minha vida. aprender a respirar fundo [todos os minutos] e ser [ainda mais] impermeável a dias cinzentos, a pessoas amargas, a energias negativas, e a tudo o que é ruído. agradecer [infinitamente] por ser uma pessoa amada e querida, por ter no meu mundo particular quem gosta genuinamente de mim. agradecer [tanto, tanto] pelo chão seguro para onde regresso todos os dias, pelo amor que me encontrou, pelos nossos sonhos grandes e de bem com a vida, pelos os ombros leves e pela fé-invencível no que de muito bom acredito merecer.

e o resto vem*





sexta-feira, 11 de maio de 2018

desta semana*


#1. quando achamos que vai demorar muito tempo até fazer sentido, até compreender o porquê das pessoas, o para quê das coisas e a vida vem e liga os pontos todos? assim, muito limpo, muito claro, muito dentro. tudo arrumado, amén. e então agradecemos. mas não um agradecer da boca para fora. um agradecer do coração para dentro. de tudo o que tens de mais sagrado e puro e profundo. dizes obrigada, vida. mil vezes obrigada por tudo o que tiras e por tudo o que dás. e é então que sabes, com toda a força que às vezes esqueces que tens, que te levantas sempre, sempre, sempre. e que a premissa que mais conta neste caminho é gostar mesmo muito de viver esta vida. nem sempre fácil, nem sempre cor-de-rosa, mas tão boa de se viver. e quando for essa a tua coordenada maior, seguirás sempre em frente. 
amén a isso. e amén ao que muda e que nos muda para sempre.

#2. o meu primeiro podcast está quase online e este número um é sobre mim. é contar – em poucos minutos– um bocadinho da minha história, do porquê e do para quê. é falar-vos ao ouvido e ter a certeza que estaremos (ainda) mais perto. estou mesmo feliz por ter dado este passo.

#3.  para resumir esta semana voltei atrás, reencontrei este texto e tudo fez (ainda mais) sentido:
«No que me é dado a escolher, só recuso viver aquilo que sei que vai magoar-me na certa. Dantes, não me importava muito. Agora sim. O tempo e a vida vão-nos ensinando umas quantas coisas e fazem com que percebamos que não vale tudo e que o coração é um órgão muito importante, que não é só veias e artérias e cenas. O medo, a perda de ingenuidade, a recusa, nem sempre têm um efeito paralisante. Podem ser sinal de preservação, podem ser uma afirmação de que, lá está: não vale tudo.» | da minha querida amiga Mar Queirós de Araújo |

11 | espírito de sexta-feira*




quinta-feira, 10 de maio de 2018

agenda para os próximos dias*


coisas (muito) bonitas que li*


«Você não pode escolher tudo que vai viver, mas pode escolher como reagir diante das inevitáveis escolhas que a vida fizer por você. Eu, diante de todas as topadas emocionais que já levei, escolhi sempre aprender quais as lições que elas escondiam. Entendi, depois de muito tempo, que tudo que acontece em nossas vidas tem uma razão. E, essa justificativa se traduz em aprendizado. Sendo assim, hoje, agora, neste segundo, sempre que levo uma rasteira dos dias, reflito sobre aquilo e não mais rejeito desesperadamente. Crescer dói. Não é fácil. Não é simples. Mas a gente pode transformar o caminho da aprendizagem em algo mais leve. Desde que sintonizemos os nossos corações para compreender os desígnios da vida. Afinal, ela sempre cuida das pessoas de bom coração.»


10 | vai mesmo*