quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

coerência & consistência

é impossível ganhar sem antes perder. disse-o ontem durante a minha Talk no ISEG, enquanto falava do meu percurso pessoal e profissional, e fiquei com esta lição da vida a ecoar na minha cabeça e no meu coração. fiz uma espécie de resumo de caminho e tudo fez tanto sentido. o largar o conforto entediante, o mudar de ideias sem medo do que os outros poderiam dizer, o descobrir novos meios para chegar onde queria, o tentar sempre mais uma vez, o persistir e não desistir, o dar uns passos atrás e saber reinventar-me sem perder a essência, o ser firme no meu propósito, na minha identidade e na minha coragem, o não precisar de fingir ser o que não sou. 
ao longo da minha vida fui (e vou) prometendo a mim mesma aquilo que nunca quero deixar de ser: coerente e consistente. e que será sempre em nome destes dois adjectivos que muito me obrigam a um tão exigente (e necessário) exercício de equilíbrio, que sigo – sempre - em frente. que acredito que todas as trocas da vida são justas. que confio no tempo interno das minhas decisões. e que caminho, mesmo por dentro das tempestades que a vida me traz, com a paciência (e a fé) de quem sabe que chega – sempre - ao outro lado.

16 | e deixar o mundo girar*



segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

simples, assim*

«(…) a coragem para arriscar fazer o que mais queremos é afinal tudo o que precisamos para sermos felizes. o dia-a-dia ensinou-me que a felicidade vem das tais coisas simples de que não nos privamos. se nos permitirmos fazer as coisas só porque sim. ou porque nos apetece - e porque, afinal, não há nenhum bom motivo para não as fazermos - o mais provável é que é amanhã acordemos mais felizes. pelo simples facto de termos ousado desbravar mais um caminho. mesmo que não seja o certo (ou o que os outros chamam de certo).»

| laurinda alves |

15 | sobre a sorte que se constrói*


domingo, 14 de janeiro de 2018

uma cozinha de sonho & o resumo deste domingo

fim-de-semana de muito trabalho na fase dois da nossa Academia bonita. as pessoas queridas que vou receber amanhã não dirão que (quase) passou por lá um tornado. que tudo esteve virado do avesso. que houve canos (mal) furados e tudo inundado. que vimos esta obra (e a nossa vida) mal parada. que o Pedro mais maravilhoso da minha vida foi incansável a descansar o meu coração. e que só no final do dia deste domingo tudo terminou bem. 
sei que vai valer a pena voltar a ter tudo virado ao contrário. sei que vai valer a pena todo o equilíbrio que vamos ter que encontrar entre receber os nossos clientes nuns dias, e receber os nossos empreiteiros nos outros. a cozinha dos meus sonhos vai nascer. o meu Brunch Club vai chegar. os meus workshops com convidados especialistas em saúde e bem-estar vão brilhar. e por muito cansados e exaustos que estejamos (a desejar muito que amanhã fosse sábado…) a alegria dos sonhos realizados fala sempre muito mais alto.

» créditos imagem & uma das cozinhas mais bonitas | margo hupert

14 | planos para o dia*


sábado, 13 de janeiro de 2018

lista para o fim-de-semana*

«Nisto do tempo, por vezes é mais importante saber acabar do que começar, e mais vital suspender do que continuar. O exercício de interromper um trabalho para passar ao repouso não nos é fácil. Isso implica, não raro, um exercício de desprendimento e de verdade. Aceitar que não atingimos todos os objectivos a que nos tínhamos proposto. Aceitar que aquilo a que chegámos é ainda uma versão provisória, inacabada, cheia de imperfeições. Aceitar porventura que amanhã teremos de recomeçar do zero e pela enésima vez.»



13 | planos para o dia*


sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

desta semana*

#1. foi a semana de voltar – a sério – às rotinas. de arrumar numa gaveta do coração todas as saudades que se colam a mim assim que dou o último abraço às minhas pessoas-imprescindíveis. e foi uma semana cheia. das que não dá para passar a vez, para jogar no seguro, para ficar a matutar no ‘’e se…’’. demos mais passos em frente. e haverá tempo para vos falar do futuro.

#2. há muitas coisas que aprendo com as perguntas do meu filho. sim, as perguntas, sempre com as perguntas. e é também com esta mini-pessoa que aprendo (mais) a descomplicar. é incrível a forma simples (sem ser simplista) com que o meu filho (e todas as crianças) consegue ver o  mundo e traduzi-lo de uma forma que eu já esqueci. bendito filho na minha vida.

#3. vem aí tudo. três meses de tudo. livro novo, site novo, projecto de trabalho novo, a segunda parte da Academia nova (a cozinha, a minha querida cozinha!), parcerias novas, e quase uma vida-inteira nova para viver. e está tudo cá. na ordem e na simetria do muito que trabalhámos para chegar aqui. na leveza da bagagem que levamos para o nosso caminho. na certeza de que, às vezes, ser feliz está à distância das coisas mais simples.


» créditos imagem | her paper weight

12 | *



quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

hoje e todos os dias: obrigada, muito obrigada*

o ano ainda agora começou e eu já tenho tanto para agradecer. por me ter permitido começá-lo no melhor lugar do mundo, rodeada de todos os que me são essenciais, com as minhas energias renovadas, com o coração pousado no que de verdade importa, com todo o descanso que precisava de pôr em dia e de todo o tempo que me permiti usufruir de ficha completamente desligada desta corrente tão pesada que é a pressa, o stress, e as mil e uma urgências.
mas na verdade, o exercício de gratidão que pratico todos os dias, tem sempre por base as mesmas razões de ser: as minhas pessoas e as minhas alegrias pequenas. e eu sou pessoa de agradecer. muito.

# agradeço profundamente cada uma das pessoas que me faz feliz. agradeço por sabê-las bem, por saber que têm saúde, que têm trabalho, que têm afecto. agradeço por serem as minhas pessoas e por me amarem todos os dias.

# agradeço as minhas alegrias pequenas. e eu sou pessoa de valorizar de forma muito deslumbrada cada coisa bonita que a vida me dá, nos dias bons e nos dias virados do avesso. às vezes pode ser uma música que fez a diferença - no meu dia e no meu estado de espírito; às vezes pode ser uma mensagem que alguém me deixa – e aquele bocadinho de tempo que me dedicou; às vezes (esta alegria pequena repete-se todos os dias) é a energia inesgotável do meu filho e a forma como me resgata dos meus lugares-sombra; às vezes é a paciência feita de açúcar do meu Pedro; às vezes a leveza da minha irmã numa mensagem de whatsapp; às vezes o mimo dos meus sobrinhos num vídeo que me enviam; às vezes a voz da minha mãe; às vezes o colo virtual do meu pai; às vezes – muitas vezes – o olhar de amor profundo do meu cão; às vezes os livros que leio; às vezes a serendipidade da vida; às vezes uma fatia de bolo caseiro de maçã; às vezes uma caneca bem quente de chá; às vezes o cheiro da canela; às vezes o alecrim que trago ao peito; às vezes um abraço quando menos espero; às vezes as coisas que dou sem pensar duas vezes; às vezes tudo o que recebo da Vida.
o meu dia do Obrigado repete-se todos os dias. porque eu não conheço um sentimento mais bonito e puro do que o da gratidão.

11 | e a vida devolve em dobro*


quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

o que se ouve, o que se lê & o que se vê por aqui*

‘’No inverno sabe melhor dormir em conchinha, estar todos juntos no sofá, estar em família, cuidar, andar de mãos dadas, dar abraços. Isto aquece, não só o corpo mas a Alma. Sabe bem a união. Sabe bem a fraternidade, a solidariedade, a alegria, a humildade, a leveza, a Unidade. Temos que ficar juntos, em todas as situações. Nunca largar as mãos perante as dificuldades. Ultrapassá-las juntos. Sermos o CLÃ, que, juntos, supera o que ainda se põe no caminho que a vida traçou para percorrermos juntos. Entender o outro sem julgamentos. Confiar e ter paciência para que o caminho se percorra sem excesso de velocidade e respeitando as regras da estrada (vida).’’
| marta mertens | 

Música

Livros

Filmes, séries, documentários

10 | um dia de cada vez*




terça-feira, 9 de janeiro de 2018

regra de três simples*

há desilusões que são fundamentais para chegar às alegrias. há coisas que precisamos de perder para chegar até nós o que é de ganhar. há momentos na vida em que tudo fica mais claro: abdicar do que pesa é A prioridade. ralar pouco com o que não importa é fundamental. gostar só dos que gostam de nós é imprescindível para se ser feliz.
pedimos à vida que seja simples, leve, descomplicada. e a vida responde-nos em voz alta, indicando as setas do sentido certo:
quem tem de dar o primeiro passo para descomplicar, soltar e agarrar somos nós. sempre e só, nós. 

9 | das perguntas essenciais*